domingo, 21 de fevereiro de 2021

A Águia e a lenda de sua renovação aos 40!

 
"A águia é a ave que possui maior longevidade da espécie. Chega a viver setenta anos. Mas para chegar a essa idade, aos quarenta anos ela tem que tomar uma séria e difícil decisão. Aos quarenta ela está com as unhas compridas e flexíveis, não consegue mais agarrar suas presas das quais se alimenta. O bico alongado e pontiagudo se curva. Apontando contra o peito estão as asas, envelhecidas e pesadas em função da grossura das penas, e voar já é tão difícil! Então a águia só tem duas alternativas: Morrer, ou enfrentar um dolorido processo de renovação que irá durar cento e cinquenta dias. Esse processo consiste em voar para o alto de uma montanha e se recolher em um ninho próximo a um paredão onde ela não necessite voar. Então, após encontrar esse lugar, a águia começa a bater com o bico em uma parede até conseguir arrancá-lo. Após arrancá-lo, espera nascer um novo bico, com o qual vai depois arrancar suas unhas. Quando as novas unhas começam a nascer, ela passa a arrancar as velhas penas. E só cinco meses depois sai o formoso vôo de renovação e para viver então mais trinta anos"

Bonita a estória, motivacional, sem dúvida, porém mais uma falácia da Internet! 

Não se sabe com certeza a origem dessa lenda. Alguns atribuem a uma passagem bíblica (Salmos, Cap. 103), enquanto outros acreditam que a história possa ter sido inspirada na mitologia grega, com a famosa história da Fênix, uma ave muito parecida com a águia, que depois de morrer queimada renasce das cinzas, para morrer novamente no dia seguinte e renascer de novo.

As águias, assim como qualquer outra ave de rapina, não se automutilam em situações normais, não perdem o bico e as garras a menos que sofra um processo traumático. A automutilação só aparece como condição patológica, como situações de estresse, doenças de pele, etc. Quando elas são vistas "bicando" pedras, estão fazendo isso para manter estas estruturas afiadas. Vale lembrar que tanto o bico quanto as unhas das águias (e de outras aves) vão se desgastando com o uso, por isso, são renovadas continuamente, igual nossas unhas e cabelos (e não drasticamente como diz a lenda). 

O mesmo processo ocorre com as penas, que caem e são substituídas por outras (processo de “muda”). Mas essa substituição não ocorre de uma só vez, o que impediria a ave de voar, ocorre uma vez por ano (ou por temporada) e de forma sincronizada. As águias também não podem ficar sem comer por dezenas de dias; elas também não vivem por 70 anos, as maiores espécies vivem cerca de 30 anos, podendo chegar até os 40 anos em cativeiro.

Pesquisa Aves de Rapina!

 As águias não são as aves que tem maior longevidade e não podem viver por 70 anos. Não existe nenhum registro científico de águias que pudessem chegar a essa idade.

Uma simples consulta no google nos informa que esta expectativa de vida é errônea. 








Fonte:

http://www.avesderapinabrasil.com/

https://diariodebiologia.com/author/karlla/

    Dra. Karlla Patrícia - Doutora em Biologia pela UFRJ e Admin. do Diário de Biologia


Nenhum comentário:

Postar um comentário