terça-feira, 12 de agosto de 2014

Número 13, sexta feira 13... O porque do número 13 ser associado ao azar !

Por superstição, o número 13 é um número atribuído ao azar em muitas culturas. Devido a essa tradição é costume em alguns países não haver andares com o número 13 nos prédios. Nas corridas de Fórmula 1, geralmente não existe o carro com o número 13. Em 2014, voltou a ser usada pelo piloto Pastor Maldonado.
No entanto, o número 13 por estar presente nos dias de calendário, é muito explorado pela Astrologia, e embora oculto na Astronomia, é também muitas vezes parte integrante de alguns símbolos.

Quem tem medo do número treze sofre de triscaidecafobia.
13 também são os capítulos do livro "Arte da guerra" de Sun Tzu 1 e dos livros de geometria e matemática de Euclides "Os Elementos" 2 .
O número 13 é o sexto número primo (número divisível por 1 e por ele mesmo), depois do 11 e antes do 17. É o número atômico do Alumínio, um metal não magnético.
Pode ser escrito de forma única como a soma de dois números primos: 13=2+11.
Quanto ao folclore em torno do número 13 e da sexta feira 13, teve origem no dia 13 de Outubro 1307, sexta-feira, quando a Ordem dos Templários foi declarada ilegal pelo rei Filipe IV de França; os seus membros foram presos simultaneamente em todo o país, e alguns torturados e, mais tarde, executados, por heresia.
Outra possibilidade para esta crença está no fato de que Jesus Cristo provavelmente foi morto numa sexta-feira treze, uma vez que a Páscoa judaica é celebrada no dia 14 do mês de Nissan, no calendário hebraico. Recorde-se ainda que na Santa Ceia sentaram-se à mesa treze pessoas, sendo que duas delas, Jesus e Judas Iscariotes, morreram em seguida, por mortes trágicas, Jesus por execução na cruz e Judas, provavelmente, por suicídio.
Há ainda relação do número 13 a Judas, o 13º apóstolo a chegar à Última Ceia e que depois traiu Jesus.
Além da justificativa cristã, existem 2 outras lendas que explicam a superstição. Uma Lenda diz que na Escandinava existia uma deusa do amor e da beleza chamada Friga (que deu origem a friadagr, sexta-feira). Quando as tribos nórdicas e alemãs se converteram ao cristianismo, a lenda transformou Friga em uma bruxa exilada no alto de uma montanha. Para vingar-se, ela passou a reunir-se todas as sextas com outras onze bruxas e mais o demônio - totalizando treze - para rogar pragas sobre os humanos. Da Escandinava a superstição se espalhou pela Europa.
A outra lenda é da mitologia nórdica. No valha, a morada dos deuses, houve um banquete para o qual foram convidados doze divindades. Loki o espírito do mal e da discórdia, apareceu sem ser chamado e armou uma briga em que morreu o favorito dos deuses. Este episódio serviu para consolidar o relato bíblico da última ceia, onde havia treze à mesa, às vésperas da morte de Cristo. Daí veio a crendice de que convidar 13 pessoas para um jantar era desgraça na certa.
Além disto, acredita-se que o numero do anticristo é  666 mas estudiosos no assunto garantem que na verdade seria o número 616, ou seja, tem uma ligação com a soma dos números 6+1+6= 13 sendo assim o número do azar.
A informação sobre o número 666 está no Apocalipse de São João, capítulo 13, versículo 18: “Quem tiver discernimento, calcule o número da besta, pois é o número do homem e seu número é 666”.
Existem ouros número considerados de má sorte, são eles :
17 - Maldição romana: O número 17 é agourento na Itália. Nos algarismos romanos, ele é escrito como XVII. Quando as letras são embaralhadas, formam a palavra VIXI, que, em latim, quer dizer “minha vida acabou”. O medo é tanto que o carro de modelo R17, da Renault, é vendido lá como R177.

4,233 - Desenho amaldiçoado: Os egípcios são famosos por seus hieróglifos, aqueles desenhos intrigantes que funcionavam quase como um alfabeto próprio. O hieróglifo do número 4,233 podia ser interpretado como um jovem faraó sendo assassinado. Nem é preciso dizer que eles não gostavam muito do número...

40 - Pecados aracnídeos: Para os russos e hebraicos é um número de muito azar, pois acreditam que os espíritos dos mortos vagam na Terra durante 40 dias após o falecimento. Os russos também acreditam que, para cada aranha que você matar, 40 pecados serão perdoados.

42 - Mau presságio: Para os japoneses, quando se pronuncia o número 4 e o 2 seguidos, parecem dizer “vai morrer”.  Qualquer variação também é ruim: 420 parece ser “espírito morto” e 24 soa como “morte em dobro”. Eles levam a superstição tão a sério que vários hospitais nem têm quartos com o número 42.

Nenhum comentário :

Postar um comentário