terça-feira, 19 de agosto de 2014

As baterias de nossos aparelhos viciam ?

A pouco tempo atrás utilizávamos baterias feitas com Níquel e Cádmio(NiCd). Eram usadas em notebooks, aparelhos celulares, telefones sem fio, etc. As pilhas NiCd são geralmente mais baratas, porém têm menor tempo de vida útil, além de menor capacidade de carga, e apresentam um problema chamado "efeito memória". Quando isso ocorre, a pilha deixa de ser carregada totalmente por sua composição química porém apresenta carga completa. O efeito memória acontece quando resíduos de carga na pilha induzem a formação de pequenos blocos de cádmio.
A melhor maneira de evitar o problema é não fazer recargas quando a bateria está parcialmente descarregada. É  melhor esperar até a bateria descarregar e deixar de ser possível utilizá-la no aparelho para então recarregá-la.
As pilhas NiCd estão cada vez mais em desuso, pois além do efeito memória, de terem menor capacidade e menor tempo de vida útil, esse tipo de bateria é muito poluente, já que o cádmio é um elemento químico altamente tóxico e prejudicial ao meio ambiente.

Hoje em dia utilizamos as baterias do tipo  Níquel Hidreto Metálico ou Íons de Lítio que são um  tipo de bateria recarregável que possui características operacionais similares às bateria de níquel cádmio (NiCd). Em 1991, em um acordo de cooperação entre o Departamento de Energia dos EUA (DOE) e a United States Advanced Battery Consortium (USABC), iniciou-se o desenvolvimento de baterias de níquel-hidreto metálico (NiMH) para ser uma solução a médio prazo na utilização em veículos elétricos. Rapidamente chegaram ao mercado comum e aos aparelhos de uso geral. Este tipo de bateria não apresenta efeito memória, porém, como tudo na vida, apresenta uma vida útil de cargas e recargas. As baterias de notebook´s por exemplo, possuem eficiência para cerca de 1000 cargas e recargas. Entretanto a Apple recomenda que não se guarde o notebook por longos períodos com carga completa ou sem carga. Segundo o fabricante, deve se guardar o aparelho com 50 % de carga para máxima eficiência.O Iphone, por exemplo, possui eficiência de cerca de 500 cargas.

Na verdade, o que temos que ter em mente, é que a cada carga e descarga, menos tempo daremos a nossas baterias. Alguns sites recomendam que em caso de notebooks, quando utilizados na tomada, deve se retirar a bateria. Outros alegam que o aparelho possui o circuito que detecta a carga da bateria e só o fará em caso necessário. 
Na minha opinião, se estamos utilizando um notebook na tomada, deve ser manter a bateria no aparelho, mesmo porque, em caso de queda da energia, a mesma manterá o aparelho ligado e evitará a perda de informações. O circuito interno do aparelho somente carregará a batera se necessário !


Fonte: https://www.apple.com/br/batteries/iphone.html

Nenhum comentário :

Postar um comentário